O Problema do Isolamento Social


Muitas mulheres vítimas de violência doméstica permanecem nesta situação por muito tempo.
Os motivos são inúmeros, cada uma dessas mulheres tem sua individualidade, sua realidade cultural, familiar, e principalmente psíquica. É importante que, não se façam julgamentos precipitados.
As mulheres que estão nesta situação tendem a permanecer isoladas de amigos, familiares, instituições e serviços, justamente por temerem estes julgamentos precipitados, por terem muita vergonha e mesmo muito medo.
Estas mulheres, quando trabalham, tendem a arrumar empregos onde o convívio com outras pessoas é reduzido, como, por exemplo, os trabalhos de diarista.
Existe todo um mecanismo de construção deste isolamento.
Inicia-se com deixar de trabalhar, deixar de estudar, etc.
Vários são os sintomas do isolamento social e sua instalação é tão lenta que as pessoas muitas vezes não percebem que a mulher vem se isolando.
Casos de depressão e recolhimento são muito comuns.
Quando acontece de a mulher não suportar mais a situação de violência, ou mesmo de acontecer algum agravante que a force a sair da situação, o problema do isolamento social é um dos maiores a serem vencidos na nova etapa da vida.
Conviver com o estigma e os preconceitos é muito difícil, de maneira que algumas mulheres acabam permanecendo nesta situação tendo como justificativa outros inúmeros motivos.
A baixa da auto – estima, o sentimento de incapacidade profissional, a sensação de não ter espaço ou local no qual ela possa se adaptar são sinais e ao mesmo tempo causas do isolamento.
Trabalhar para vencer estes obstáculos exige um exercício psíquico árduo que somente é possível por meio da reconstrução de sua história para a mudança de seu futuro.
Este processo é condição fundamental para que a mulher possa descobrir habilidades, talentos e desta forma ter autonomia em suas decisões, confiança em si mesma e o resgate da valorização pessoal.

Evalnete Rodrigues
Psicóloga
CRP 08/09578